Janelas da minha “aldeia”: A televisão e a Internet

Julho 28, 2009

Imaginem uma pequena aldeia medieval perdida no tempo, sem muitas das comodidades a que estamos habituados, onde os seus habitantes vivem em plena harmonia com a natureza e dela tiram o seu sustento. A vida é dura, muito dura mesmo para todos os que nela residem. Acordar ao cantar do galo, cuidar do gado, trabalhar os campos, servir os seus senhores, reparar as habitações, ajudar a comunidade, assistir às cerimonias religiosas, eram algumas das principais tarefas da população desse tempo. A comunicação era feita presencialmente, as principais notícias circulavam de “boca em boca”, pelas ruelas da aldeia ou na sacada das janelas, e os serões familiares eram a principal fonte de transmissão de conhecimentos. Nesse tempo longínquo o acesso à informação era limitado, apenas os acontecimentos da região e as histórias da tradição oral circulavam pela boca do povo, sendo que os textos escritos eram tesouros que apenas estavam disponíveis para alguns privilegiados. Hoje, ao contrário do que acontecia em tempos que já lá vão, temos várias janelas que nos mostram o mundo para lá da nossa “aldeia”. Neste pequeno post, falo-vos de dois meios tecnológicos que são verdadeiras janelas para esse mundo mais amplo: A televisão e a Internet.

Creio que os dois instrumentos referidos acima, e tão populares na nossa autodenominada “sociedade da informação”, contribuem para que o nosso planeta seja uma “aldeia global”. Janelas que nos oferecem um conhecimento mais amplo do mundo. Muita gente afirma que a Internet, e o enorme número de serviços que esta nos oferece, está a relegar a televisão para segundo plano, visto que as pessoas começam a passar mais tempo à frente de equipamentos informáticos e menos tempo a assistir à programação que passa nos diversos canais de televisão. Não concordo, acho que são meios distintos e que se complementam. A Internet é, na minha opinião, o centro de conhecimento mundial, a biblioteca de Alexandria dos tempos modernos, onde se pode adquirir conhecimento sobre os mais variados temas, trabalhar, comunicar, ver conteúdos multimédia, jogar, e desempenhar as mais variadas tarefas. Este meio fantástico é o complemento ideal da televisão, ou até mesmo do ainda mais velhinho rádio, porque podemos consultar a sua programação, ou às últimas notícias do país e do mundo, nas páginas web das próprias estações televisivas. A rede mundial de computadores oferece-nos ainda a possibilidade de ver a mesma notícia sobre diferentes pontos de vista, através de outros sites noticiosos, blogs, ou até mesmo em fóruns de discussão. A velocidade com que esses suportes são actualizados, assim como a diversidade de pessoas que efectua essas actualizações, permite que se saiba o desenvolvimento de determinada notícia a cada instante.

Estes dois meios são tão complementares que já se começam a fundir, tirando partido do melhor das duas tecnologias. A produção de séries de ficção, programas humorísticos, vídeos publicitários, entrevistas, programas de opinião, entre outros conteúdos multimédia, já não se restringe apenas a profissionais da área e chega a nossas casas através da Internet. A verdadeira democratização de conteúdos, a televisão de todos nós, visto que podemos criar os nossos próprios canais em serviços como o YouTube.

A televisão na Internet também está a ser popularizada por projectos como o Joost. Aliás, deixo aqui um pequeno anúncio (que encontrei na Internet) destinado a todos os que desconhecem este serviço:


Telecomunicações e serviços de Voz sobre IP

Julho 24, 2009

As telecomunicações fazem parte integrante do nosso quotidiano, pelo menos nos autodenominados “países do primeiro mundo”, mantendo-nos em contacto com pessoas que estão distantes de nós por dezenas, centenas, ou até mesmo milhares de quilómetros. Utilizamos uma enorme variedade de tecnologias, desde as mais simples até às mais complexas, para estabelecer contactos pessoais e profissionais ao longo do dia. Quem nunca recebeu ou efectuou um telefonema? Quem não trocou uma mensagem SMS (Short Message Service)? Quem nunca recorreu a serviços de email ou a serviços de mensagens instantâneas (Instant Messaging)? Na realidade, a resposta a esta questão não é linear. Infelizmente, muitos habitantes dos ditos “países de terceiro mundo” não têm acesso nem aos bens mais essenciais, como alimentação e cuidados de saúde, quanto mais a tecnologias consideradas de luxo. Contudo, creio que a maioria das pessoas que residem em “países desenvolvidos ou em vias de desenvolvimento” utiliza estes meios tecnológicos diariamente para realizarem as mais diversas tarefas.

Como referi anteriormente, na mensagem de boas vidas, estive alguns dias “isolado” num lugar paradisíaco (ver as fotografias no final desse post), mas não perdi a comunicação com o resto do mundo. É curioso, até chega a ser caricato, ver como as pessoas se abstraem da beleza natural que as rodeiam para se prenderem aos dispositivos de comunicação móvel que lhes trazem notícias da agitação do lugar de onde vieram. Uma chamada, uma mensagem de SMS, uma fotografia que se envia numa mensagem MMS (Multimedia Messaging Service), interrompem o som da natureza que chama os seres humanos para regressar às suas origens. Será que isto é mau? Não, acredito que os meios tecnológicos que nos permitem estar em contacto com os outros, a qualquer hora e em qualquer lugar, são uma das muitas vantagens do nosso tempo. Claro que, como em tudo na vida, devemos saber utilizar essas tecnologias “com conta, peso, e medida”. Há alguma coisa melhor nesta vida do que aliar a tranquilidade de um lugar paradisíaco com a comodidade que alguns equipamentos dos tempos modernos nos oferecem? Creio que não.

Graças aos fantásticos sistemas de telecomunicações, e ao espírito visionário de muitos investigadores, o nosso mundo transformou-se numa pequena aldeia global e podemos estabelecer contactos pessoais e profissionais com pessoas que estão fisicamente muito distantes. Os serviços que habitam a Internet revolucionaram a forma como olhamos para o mundo, permitido a cooperação de pessoas e organizações no desenvolvimento de uma grande variedade de ideias que, de uma forma ou de outra, contribuem para o progresso da nossa civilização. Muitas ferramentas que estão disponíveis na rede mundial de computadores podem ser utilizadas para transformar a educação, mas esse tema específico justifica uma reflexão própria. Voltando à temática deste post, mais especificamente à importância das telecomunicações, gostaria de vos falar dos serviços de Voz sobre IP (Voice over IP). Estes serviços permitem a realização de chamadas para telefones fixos, ou móveis, a uma facção do preço cobrado pelas companhias telefónicas tradicionais, sendo que os utilizadores de um serviço de Voz sobre IP têm a vantagem de poderem realizar chamadas gratuitas entre si.

Existe uma grande variedade de serviços de Voz sobre IP disponíveis na Internet, existindo uma acérrima concorrência entre os mesmos, mas um dos serviços mais conhecidos é o Skype. O site deste serviço está disponível em vários idiomas, entre os quais podemos encontrar a nossa língua pátria, e o software tem um interface bastante simples de utilizar. Existe uma grande quantidade de blogs dedicados a este serviço, entre os quais destaco o blogSkype Brasil”, contendo as últimas notícias/curiosidades relacionadas com o mesmo. Quem gosta de desenvolver as suas próprias aplicações de software, incluindo extras para programas já existentes, tem ao seu dispor uma Application Programming Interface (API) fornecida pela empresa proprietária do Skype, podendo seguir as últimas notícias sobre o desenvolvimento de extras no blog Skype Developer Zone”.

A utilização de sistemas de Voz sobre IP em dispositivos móveis, incluindo PDAs (Personal Digital Assistants) e telemóveis, é vantajosa sempre que se possui uma ligação 3G ou uma rede sem fios – wifi – por perto, visto que as chamadas telefónicas ficam muito mais em conta.

Além do Skype, gostaria de enumerar mais alguns serviços de Voz sobre IP que existem:

  • Gizmo – À semelhança do que acontece com o serviço de que vos falei acima, os utilizadores do Gizmo podem aceder às últimas notícias/curiosidades sobre este produto através do seu blog oficial.

Claro que quem deseja encontrar o serviço que mais se adapta às suas necessidades, ou que tem os preços mais competitivos para um certo destino, pode sempre pesquisar no Google ou em qualquer outro motor de pesquisa.


Mensagem de boas vindas

Julho 22, 2009

Enquanto escrevo este primeiro post, para saudar todos os leitores deste blog, existe uma questão pertinente que habita a minha mente: “Será que irei ter tempo para actualizar este espaço com regularidade?” A verdade é que não sei, existem milhares de variáveis que se podem conjugar para consumir este tempo precioso que desejo partilhar convosco. Aliás, por causa do tempo ser um bem tão precioso na actualidade, uma das minhas primeiras tentativas de abrir este pequeno espaço não teve êxito.

Agora, mesmo sem dispor de muito mais tempo do que o habitual, sentir a necessidade de voltar a escrever as minhas ideias, filosofias, e opiniões neste pequeno espaço. Uma vez que vivemos num mundo cheio de meios tecnológicos, ou se preferirem artefactos, é natural que os textos apresentados neste espaço também contenham temas relacionados com estes e com algumas iniciativas de cariz científico.

A minha decisão de reabrir este blog surgiu quando me isolei da agitação do mundo moderno, e da panóplia de artefactos a ele associada, encontrando paz num pequeno paraíso que parece perdido no tempo. Este pequeno pedaço de céu está a poucas horas das nossas grandes cidades, algures perdido no Algarve, mas parece estar num canto inexplorado do nosso planeta. Presenteio-vos com algumas fotografias deste belo cenário: